sábado, 23 de abril de 2011

Brincar a Sintra e Brincar aos Países

Ao começar esta obra, inspirei-me em alguns vídeos e comentários que vi do Sr. Dr Medina Carreira para ilustrar um pequeno exemplo de como o país foi conduzido até o descalabro final. Que dizia o seguinte: " acham que isto é um país a sério"? Sou funcionário de uma pequena empresa municipal do município de Sintra, e tenho nojo e raiva do que os políticos ou seja as pessoas que estão à frente das instituições públicas gerindo bens públicos e claro dinheiro público, a forma como é gerido a contribuição de todos os contribuintes Portugueses, a forma como são feitos os convites para desempenharem cargos de administração nas referidas instituições só me levam a subscrever na íntegra o que foi dito por esse Sr. de bem. A Empresa foi constituída com um grande objectivo, que é descongestionar o grande fluxo de pedidos de reparações de alguns danos causados nas escolas frequentadas pelos nossos filhos, que levavam meses até serem satisfeitos. No início, as coisas começaram a funcionar bem, as reparações, a gestão dos refeitórios escolares, manutenção de espaços verdes e até a construção de novas escolas, funcionou no início porque a então Presidente da Câmara Drª. Edite Estrela tinha nomeado um administrador delegado e era de facto uma pessoa com bastantes conhecimentos a nivel de Gestão Empresarial, mas este só teve à frente da empresa durante um ano e meio, porque o PS tinha acabado de perder a Câmara de Sintra para o PSD (candidato eleito, Sr. Professor Fernando Reboredo Seara). Este nomeou dois amigos, o Engº Moreira Marques e o Dr. Luís Claro que o acampanharam durante a campanha eleitoral e claro não podiam ficar sem emprego de luxo e um terceiro elemento da CDU, Sr. Rui Monteiro que formaram o trio do Conselho de Administração de Educa, Empresa Municipal de Gestão e Manutenção de Equipamentos Educativos de Sintra. Foi a partir dessa altura que começou o descalabro da empresa que era suposto gerir e manter as escolas, os administradores não se entendiam entre si, nenhum deles sabia o verdadeiro sentido da palavra gerir, O Moreira Marques só se encontrava na empresa parcialmente de segunda a quinta-feira da parte de manhã ou tarde uma vez que acumulava a presidência da Educa com o pelouro de vereador de desporto na Câmara de Lisboa, usufruindo de dois salários e duas viaturas com condutor e ainda um terceiro salário que provém da Universidade Lusófona onde lecciona uma cadeira todas as 6ªs feiras, eu é que não queria ser nunca aluno dele porque esse Sr. não tinha e não tem nada para ensinar a ninguém a não ser truques de como infiltrar no meio dos barões da política e safar-se à grande, e foi o que foi acontecendo com ele até à presente data. O Sr. Rui Monteiro da CDU, partido amigo dos trabalhadores, esse não sei se interiorizou bem os ideais do partido, é contrário de tudo o que o PCP defende, não entendeu bem a lição do partido, desistiu da faculdade ao 2º ano por falta de cérebro mas tem o tacho garantido na Educa desde 2002 quando os estatutos da mesma dizem que de maneira nenhuma um administrador pode ficar na empresa por mais de 3 mandatos seguidos mas ele continua, aterroriza o pessoal que trabalha directamente com ele, todos são incompetentes segundo a sua forma de ver as coisas, o único competente é ele mesmo mas também não sabe o que sabe fazer, usa a viatura da empresa para os seus passeios matinais nos centros comerciais, a ler os jornais no horário de expediente. Não sabe nada, aliás tem uma única coisa boa que é a estupidez e os funcionários vivem aterrotizados com medo de perder posto de trabalho, mas a maioria dos que ele chama incompetentes são técnicos qualificados (com licenciatura) coisa que ele não conseguiu levar até ao fim mas os que conseguiram não são nada, até pode ser que sim porque temos o exemplo de Lula da Silva no Brasil que fez um trabalho magnífico e só tem a 4ª classe mas Lula só há um e o administrador da Educa não se chama Lula mas sim Rui Sampaio Monteiro. Dos três o Luís Claro foi o único que tomou uma decisão que é de louvar, fez a implementação do programa informática SAP/R3 que é uma óptima ferramenta de Gestão, foi a única obra do Sr. durante os 4 anos em que foi vogal do conselho de administração, auferindo salários de 3000€ a 3500€, telemóvel (chegando a gastar em Roaming perto de 1.000 €, valor em certos casos duas vezes superior ao vencimento de funcionários), mais combustível pago sem saber fazer nada e vêm questionar a chegada do FMI ao nosso país. É escandaloso ter como presidente da empresa, o Dr. António Canelas que sempre foi professor da primária dos miúdos com necessidades educativas especiais, ele anda aos papéis na empresa, não sabe o que há-de fazer, tenta colocr tudo contra todos para melhor presidir, até compreendo o Sr. porque a culpa não é dele mas de quem lhe deu esse voto de confiança, um presidente que diz que sabe qual é o verdadeiro problema da empresa, é dos funcionários andarem desmotivados e não se faz nada? O difícil é chegar ao problema mas pareceu-me que ele lá chegou com muita facilidade e nem sei como conseguiu lá chegar. Gostava de lhe fazer algumas perguntas que são de interesse de toda empresa mas ninguém tem a coragem de as fazer porque parece que voltámos os tempos da ditadura e toda gente está com medo de perder qualquer coisa.Gostava de lhe perguntar como presidente da Educa, que Gabinete é aquele que se denomina Comunicação e Imagem onde está sentada o dia todo a Drª. Susana Bulas sem nada para fazer e que foi admitida em 2010 quando já estávamos em contenção de custos, com um ordenado bruto de 1.500€ quando existem licenciados com ordenados de 860€ brutos e que já trabalham há seis, sete anos na empresa e nunca foram aumentados? A Dra. Susana Bulas é licenciada? Quais as suas habilitações académicas? Gostava de lhe perguntar do David Alves que funções desempenhou na empresa durante o tempo que lá esteve e porque é que se foi embora sem que ninguém o substituisse já que a tarefa era de extrema importância? Gostava de lhe perguntar da demissão da directora financeira Drª. Guilhermina Serrão uma excelente técnica aliás deu provas disso no passado, foi professora universitária e trabalhou como auditora de contas em várias empresas até ser convidada pela Educa para o cargo de Directora Financeira, é uma pessoa que sabe utilizar as ferramentas técnicas de gestão/administração existentes que permitem tomar as decisões certas mas foi afastada sem motivo aparente? Enoja-me ter que conviver convosco todos os dias e o pior é não saber até quando essa convivência com gente medíocre  sem saber o que hão-de fazer mas também não se demitem dos cargos alegando falta de competência ou conhecimento de gestão.              http://www.youtube.com/watch?v=PnvU6nNcnFM---

6 comentários:

  1. Gostaria de contribuir lembrando um levantamento de funções realizado
    pelo Dr. Paulo Reis (se bem me recordo do nome), na forma de prestação
    de serviços, que terá resultado num relatório que não foi implementado
    nem conhecido dos funcionários da empresa municipal. Mais um dispêndio
    para o arquivo morto ou para a gaveta esquecida.

    ResponderEliminar
  2. Boas,

    De vez em quando surgem informações de maus tratos aos funcionários da Educa.
    Já uma vez saíram noticias de uma funcionária que foi mal tratada por um Administrador.
    Porque é que não chamam o pessoal do Ministério do Trabalho e contam tudo a eles?

    ResponderEliminar
  3. Caro Editor, ninguém aqui falou de maus tratos sobre nenhum funcionário em particular mas sim o não ter a capacidade para gerir ou o não saber fazer por parte de chefia, se és funcionário de Educa e não sabes que estas situações por lá passam então demita das tuas funções porque não serves para nada ou seja não tens nada no cérebro. Não sabes que Educa não tem um Conselho de Administração há anos? Leia bem e tenta perceber o que foi publicado antes de começares escrever desapartes.

    ResponderEliminar
  4. Boas,
    Não, felizmente não sou funcionária da Educa.
    Apenas uma cidadã atenta.
    Pelo que oiço e pelo que já li, tinha a opinião que os funcionários eram vitimas de muitas pressões, mas se não é assim ainda bem.

    ResponderEliminar
  5. Comentário De: Vamos Fazer o Que Ainda Não Foi Feito deixou um novo comentário na sua mensagem "Brincar a Sintra e Brincar aos Países":

    Olá,

    Não pude passar sem deixar um comentário,

    Srs. Ruis Monteiros existem muitos e vão sempre continuar a existir, contra isso não há nada a fazer, infelizmente, sai esse e vem outro igual ou pior, se é que é possível ser pior, esse pelo menos já se sabe com o que contar, e olhe que eu conheço a peça, não é flor que se cheire, não vá o nariz cair, sim!, porque lágrimas já esse senhor fez cair aos seus funcionários e muitas, é um homem miserável com uma vida miserável, em algum lado teria de se reflectir tamanha frustração.

    É sempre preciso muito cuidado, e cuidado também com o que se expõe e estar preparado para as consequências que dai possam advir, se é que me percebe cara senhora, existem coisas que as vezes mais vale deixar andar, quem de direito também tem essas informações e nada faz, é uma guerra perdida.

    Não existem é Técnicos Superiores como a Dr.ª Jurista que colaborava ai na EDUCA EM, por quem tenho uma enorme estima e apreço, esses sim são uma raridade nos tempos que correm, esses sim fazem falta ao nosso País, pessoas capazes, justas, verdadeiras, e com um sentido de responsabilidade muito apurado, esses é que merecem ser reconhecidos e as vezes não o são, esses sim levam uma empresa a bom porto.

    Quanto ao resto são todos uma cambada (desculpe o termo) de rapa tachos, e do pior, é que até podiam saber fazer as coisas bem feitas, ter feito o trabalho de casa, mas nem isso, o que se pode dizer mais, mais nada!, temos o país que temos e quanto a isso não há nada a fazer, por muito que queiramos, o sistema esta viciado.

    Muito obrigada e continue atenta.

    ResponderEliminar